Como saber se um gato está sentindo dor? Conheça 25 sinais de dor em gatos

Gatos são conhecidos por não demonstrar que estão sentindo dor. Por natureza, eles procuram defender o seu território para diminuir a necessidade de disputa por recursos. E para se mostrarem mais fortes, os felinos tendem a disfarçar quando estão machucados ou sentindo dores, uma estratégia de sobrevivência que os permite esconder as suas doenças e fraquezas. Por isso, ao nos depararmos com um gato com problemas comportamentais, é recomendável eliminarmos a hipótese de que aquele animal esteja sentido dores, antes de iniciarmos qualquer tipo de treino que vise corrigir desvios de comportamento.

Pensando nisso, cientistas britânicos identificaram 25 comportamentos dos gatos que podem significar que eles estão sentindo dor. O novo estudo, publicado na revista Plos One, sugere que atitudes como a perda de apetite e dificuldade de pular podem indicar que o felino não está se sentindo bem. “Os sinais relatados no estudo podem ajudar tanto os veterinários quanto os donos de gatos a formar uma avaliação inicial do estado de dor dos felinos”, afirmaram os pesquisadores no estudo.

 

Após cinco meses de estudo, uma equipe internacional formada com 19 veterinários especialistas em felinos listou 91 sinais comportamentais que foram considerados para análise e observação. O estudo contou com três fases de pesquisa, na qual os especialistas deveriam compor uma grande lista de comportamentos que seriam relacionados à dor. Após um compilado de 91 respostas, os pesquisadores britânicos definiram que os itens que fossem consenso entre os veterinários deveriam ter sido citados 80% das vezes. Utilizando este parâmetro, itens menos citados foram excluídos, resultando em 25 pontos.

 

Veja abaixo a lista dos 25 sinais de que seu gato pode estar sentindo dor:

1. Mancar;
2. Sentir dificuldade para pular;
3. Andar de forma anormal, mais lentamente;
4. Apresentar relutância em se mexer;
5. Reagir à palpação;
6. Manter-se afastado/esconder-se;
7. Não se limpar/lamber;
8. Evitar brincadeiras;
9. Comer menos (diminuição do apetite);
10. Diminuir totalmente suas atividades rotineiras;
11. Esfregar-se menos nas pessoas;
12. Alterar estados de humor frente a estímulos agudos de dor;
13. Modificar totalmente seu comportamento habitual (indicativo de dor crônica);
14. Andar com as costas arqueadas para cima;
15. Apresentar mudança de peso;
16. Lamber uma determinada região do corpo;
17. Andar de cabeça baixa;
18. Contrair involuntariamente a(s) pálpebra(s) – Blefaroespasmo;
19. Alterar a maneira de se alimentar (sinal presente em nível alto de dor);
20. Evitar áreas luminosas (sinal presente em nível alto de dor);
21. Rosnar (sinal presente em nível alto de dor);
22. Gemer (sinal presente em nível alto de dor);
23. Manter os olhos fechados (sinal presente em nível alto de dor);
24. Urinar com dificuldade;
25. Sacudir a cauda.

Lembrando que nem sempre a presença desses sinais significa necessariamente que o animal esteja sentindo dor. Esses comportamentos devem ser analisados com relação à situação em que se apresentam e com à frequência (repetição).